5. Sou Poupador... e investidor!

Olá estimado(a) Poupador(a)! Voltamos! Como vai você? Tudo tranquilo?! Então, você quer tornar-se um investidor?! Legal, hein?! Mas sabe com quais investimentos você tem perfil compatível? Com todos os tipos de investimentos ou será que o seu negócio é ser poupador 4ever?! 
Descobri que meu perfil ao longo do tempo vai alternado conforme o ritmo da economia; contudo, sabemos que existem pessoas que dificilmente mudam sua estratégia financeira ao longo da vida, mantendo sempre o mesmo ritmo...   

Beleza?! Mas me diga, existe diferença entre poupar e investir?! 


?



?



?



?

Claro que sim!

Poupar, refere-se ao ato de guardar a diferença entre o que entrou e saiu das suas mãos, ou seja, guardar o que sobrouInvestir está voltado para quem tem como objetivo ganhar dinheiro

Exemplos: tenho um amigo, o Francis, (abraço pra ti cara), que pode ser considerado um exemplo de poupador. Ele junta durante vários meses uma grana com um certo objetivo: comprar ou trocar de carro, fazer uma viagem, fazer uma obra ou reforma, etc. Ou seja, a cada ciclo de conquista ele retorna para o ponto de partida. Tenho dito que ele pode se tornar um investidor (corrijam-me se eu estiver enganado). Para ele conseguir se tornar um investidor, falta pouco. Costumo dizer que ele está na metade do caminho, pois ele já tem disciplina para poupar. Agora, se ele quiser ser um investidor, basta ele seguir o exemplo dos amigos dele que já investem... 

Outro amigo nosso, o Bruno (abraço pra ti também cara), tornou-se um investidor. Ele guarda todos os meses uma boa parte da grana dele para investir com o objetivo de multiplicar e obter ganhos que também proporcionem comprar ou trocar de carro, fazer uma viagem, fazer uma obra ou reforma, etc, mas sem voltar para a estaca zero. Acho que pode ser legal entrevistar  o Bruno pra saber o que ele tem de dicas para o Francis...  

Procede pessoal?!

Opa, então espera... 

Bruno, o que você pode dar de dicas para o nosso amigo Francis seguir o seu exemplo? Francis você tem alguma pergunta para fazer ao Bruno?! 

No próximo post, se ambos concordarem, vamos trazer o resultado dessas entrevistas... OK?!!! Seguimos...

Reflexão: Interessante perceber que certas decisões nossas podem trazer resultados financeiros tão diferentes.

Seguimos o nosso barco... Para nos ajudar na tarefa de explicar essa transição, de poupador para investidor, vamos nos debruçar sobre o material de apoio criado pelo Banco Central do Brasil - BCB. Trata-se do Caderno de Educação Financeira Gestão de Finanças Pessoais (Conteúdo Básico) edição de 2013. Por falar nisso, você conhece o site do BCB? Senão, aqui vai o endereço: https://www.bcb.gov.br 

Esse e-book está disponível na integra no seguinte endereço: https://www.bcb.gov.br/pre/pef/port/caderno_cidadania_financeira.pdf e pode ser baixado gratuitamente. Ele compila conhecimentos básicos de educação financeira expressos em linguagem cotidiana e foi elaborado para distribuição gratuita, podendo ser reproduzido total ou parcialmente, desde que citada a fonte (Tudo certo de nossa parte!). Ah, adiantamos que é expressamente proibida a comercialização do book! 

Bom, seguimos... para me tornar um investidor tive de entender primeiramente a relação de três conceitos básicos: liquidez, risco e rentabilidade. Quer entender também? 
Finanças Pessoais, Liquidez, Risco, Rentabilidade, Investidor, Poupador, Conceitos Financeiros, Sou Poupador

Vejamos: 

"Liquidez: refere-se à capacidade de um artigo ou investimento ser transformado em dinheiro, a qualquer momento e por um preço justo. Por exemplo, o ativo mais líquido que existe é o próprio dinheiro. Fundos de aplicação em renda fixa e caderneta de poupança, com resgate imediato, são considerados produtos com alta liquidez. Já os imóveis, por exemplo, podem levar muito tempo para serem vendidos, sendo considerados investimentos de baixa liquidez.

Risco: é a probabilidade de ocorrência de perdas. Quanto maior o risco, maior a probabilidade de o investidor incorrer em perdas. Dependendo do investimento, podemos ganhar ou perder pequenos ou grandes valores. Exemplos de investimentos de menor risco são a caderneta de poupança e o tesouro direto, desde que você fique de posse do título e o desconte na data de seu vencimento, enquanto as ações são consideradas investimentos de maior risco.

Rentabilidade: é o retorno, a remuneração do investimento. Quando fazemos um investimento, temos uma expectativa de rentabilidade que pode se concretizar ou não. Em geral, quanto maior a rentabilidade prometida, maior o risco de perder a quantia aplicada. Em outras palavras, o que ganhamos em segurança perdemos em rentabilidade e vice-versa. Então, antes de escolher, compare a rentabilidade prometida com a média do mercado e desconfie de promessas muito boas." *Fonte: Book do BCB.  

Ahhh... na parte do RISCO, imagino que eles poderiam ter falado alguma coisa sobre o Fundo Garantidor de Créditos. Esse Fundo Garantidor de Crédito - FGC, protege uma parte dos investidores e uma parte do capital deles contra falências de bancos e outros emissores de investimentos.

Uma coisa importante para quem quer investir é conhecer o perfil atual de apetite por risco. Para ajudar nessa tarefa, a Comissão de Valores Mobiliários do Brasil, CVM, pensando em orientar e proteger os investidores de riscos inerentes a cada tipo de investimento, passou a exigir das instituições financeiras a aplicação de um questionário para enquadrar os clientes em conservador, moderado e arrojado. Conforme as Instruções Normativas da CVM nº 539/2013 e nº 554/2014, os questionários precisam ser obrigatoriamente aplicados aos clientes.

Dentre esses três tipos de perfil, em qual você se encaixa? 
Poupador conservador (ta bom assim)moderado (devagar e sempre) ou arrojado (vida louca)?! 

Definir o perfil, será fundamental para decidir os próximos passos sobre o que quer fazer com o suado money!

Nem imagina o seu perfil de risco, veja abaixo os tipos e veja se se encaixa em um dos 3... 

Conservador: (conserva a dor)  privilegia a segurança e faz todo o possível para diminuir o risco de perdas, aceitando, inclusive, uma rentabilidade menor. 

Moderado: (modera a dor) procura um equilíbrio entre segurança e rentabilidade e está disposto a correr certo risco para que o seu dinheiro renda um pouco mais do que as aplicações mais seguras. 

Arrojado: (ou vai ou racha) privilegia a rentabilidade e é capaz de correr grandes riscos para que seu investimento renda o máximo possível.
Perfil Financeiro, Perfil de Investidor, Poupador, Investidor, Conservador, Moderado, Arrojado, Finanças Pessoais, Sou Poupador
Conseguiu definir? Que legal! Quer compartilhar conosco? Se quiser diga nos comentários o motivo de ter escolhido esse perfil... 

No próximo post vamos ter a entrevista com os amigos Bruno e Francis? Aí, traremos a resposta... Beleza pessoal?! Agente se fala! Por hoje era isso! 

Comentários

  1. Sou um poupador nato! Não quero correr riscos e guardar o pouco que sobra da remuneração! (=

    ResponderExcluir
  2. Excelente esse post! Divertido e com muito conteúdo!! Bom demais!! Parabéns!!

    ResponderExcluir
  3. Excelentes postagens Fernando. Interessantes e divertidas.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  4. Gostei demais! Redação fluida, didática e divertida! Sucesso garantido!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

BlogRoll (Contate para parcerias)

Sou Poupador sugere: livros que indicamos para você ler ou presentear alguém: